TENS UM SOFÁ PARA MIM?

 

A primeira vez que ouvi falar no Couchsurfing foi pelo meu ex-namorado (afinal eles – os ex-namorados – até têm o seu lado positivo), que num dia me contou a história da experiência pessoal dele nesse mundo que é ”surfar de sofá em sofá”. Para ser sincera, na altura achei a ideia um bocado utópica e pus o assunto de lado.
No entanto, no outro dia andava eu ”perdida” na secção de livros da Fnac quando encontrei um livro que me chamou a atenção: ”Estou Nua, E Agora”, de Francisco Salgueiro, e que relatava a história de uma miúda que passou um ano a fazer Couchsurfing pelos continentes todos, quando acabou a licenciatura e a última coisa que queria era fechar-se num escritório de manhã à noite. O livro deixou-me fascinada, sendo eu uma apaixonada por viagens e culturas diferentes, e bastante interessada no Couchsurfing, como forma de conhecer-mos a fundo a cultura de um país.

Para quem nunca ouviu falar, o Couchsurfing é uma comunidade online, que já conta com 9 milhões de inscritos de 120 000 cidades, e permite que os membros inscritos sejam convidados a ficar algumas noites a dormir em casa uns dos outros, sem pagar. Exemplo: Se eu quiser passar três dias em Roma, vou ao meu perfil no Couchsurfing e digo ”Vou passar três dias em Roma, alguém que me possa emprestar um sofá/cama em sua casa durante esse tempo?” E assim, aguardam-se respostas de possíveis interessados, sendo que mais tarde eu também poderei hospedar pessoas em minha casa a custo zero.
O que mais me deixou de pé atrás foi a segurança (ou melhor – a falta dela), e penso que seja o factor mais importante a considerar por um viajante – estar seguro num país que não é o seu. Os criadores do Couchsurfing, assim como a maioria dos membros, realçam a importância de estudar a fundo o perfil de um possível host, lendo os reviews que as pessoas deixam na página, os detalhes da pessoa, etc.
Ando numa fase em que me apetece andar por aí a explorar o mundo e, devo admitir, as melhores experiências que já tive foram em situações onde estava completamente fora da minha zona de conforto. Pode-se dizer que o Couchsurfing está para o preto como o conforto está para o branco! Não sei se vai ser para breve, até porque os meus 20 anos e cara de menina não são o cocktail perfeito para andar aí pelo mundo a dormir em sofás de pessoas que podem não ter as melhores intenções, mas gostava de um dia ter uma experiência destas.

Alguém aí desse lado já fez Couchsurfing? Gostavam de experimentar?

Share:

1 Comment

  1. Anonymous
    26 Setembro, 2014 / 12:04

    Sounds interesting, and yes i would love to do that with the right person with the best intentions =)

    Jorge Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *